Uma ma coincidência histórica marca o fim de semana do clássico entre Palmeiras e São Paulo do próximo domingo, às 16h, válido pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro. Neste sábado, dia 26 de agosto, o Verdão, que nasceu como Palestra Italia em 1914, completa 103 anos de vida. E foi justamente o rival tricolor o primeiro adversário do clube já rebatizado de Sociedade Esportiva Palmeiras.

Em 1942, o time de fundação italiana precisou trocar de nome por causa da Segunda Guerra Mundial e também por influências de clubes como o próprio São Paulo.

Segundo relata o site oficial do Verdão, o Tricolor “incentivou o governo brasileiro a prejudicar o Palestra, pois os dirigentes rivais enxergaram ali a possibilidade de ver o rival fechar as portas e, consequentemente, apossarem-se de todo seu patrimônio físico (principalmente o estádio, que à época era um dos mais modernos da cidade)“.

Mas, como o próprio clube diz, ali morria o líder Palestra Italia e nascia o campeão Palmeiras. O duelo contra o São Paulo foi disputado em 20 de setembro de 1942, no Pacaembu. Os novos palmeirenses, que entraram em campo com uma bandeira do Brasil e guiados pelo Capitão Adalberto Mendes – que hoje dá nome ao centro de excelência alviverde na Academia e tem até uma estátua no local –, confirmaram naquele dia o título paulista da temporada. E em grande estilo.

O time comandado por Del Debbio entrou em campo com: Oberdan; Junqueira e Begliomini; Zezé Procópio, Og Moreira e Del Nero; Cláudio, Waldemar Fiúme, Villadoniga, Lima e Echevarrieta. Na primeira etapa, Claudio e Del Nero marcaram para os palmeirenses – Waldemar de Brito descontou para os tricolores. Na segunda etapa, Echevarrieta ampliou para o Verdão.

A vitória histórica poderia ter se transformado em goleada aos 19 minutos da segunda etapa, quando o árbitro Jaime Janeiro Rodrigues marcou pênalti a favor do ex-Palestra Itália. Revoltados com a marcação, os são-paulinos abandonaram o campo. Sem adversário, o Verdão precisou aguardar até o apito final da partida.

Tal capítulo na história palmeirense ficou eternizado como Arrancada Heroica, fato até que inspirou o terceiro uniforme do Verdão, lançado recentemente pelo clube em campanha que relembrava “o pênalti que nunca foi batido”.

por: GloboEsporte.com